quarta-feira, 3 de junho de 2009

02 ANOS SEM MINHA MÃE

Se eu pudesse falar com minha mãe hoje, faria apenas perguntas...
.
Perguntaria como foi sua partida, sua chegada e como está sendo sua estada.
Perguntaria o que descobriu sobre a paisagem, sobre os anjos, sobre as nuvens. São mesmo fofas? Podemos sentar?
Perguntaria sobre os amigos que reencontrou, e quantos tiveram a sorte de a abraçar. Os amigos ainda escrevem? Gostaria de perguntar.
Perguntaria se lá ela pode dançar, se canta e o que realmente a encanta.
Perguntaria se ainda faz poemas sobre a natureza, se é de verdade toda a beleza.
Perguntaria sobre meus avós, se eles se sentam juntos para ouvir o por do sol.
Perguntaria se sente falta de chocolates ou por lá há doçura suficiente.
Perguntaria se sente meu abraço todos os dias quando penso nela e agarro o ar.
Se está feliz, se é como ela sempre quis. Isso perguntaria sem dúvida.
Perguntaria como consigo ouvir as respostas.
A verdade é que o amor que nos une é tão grande que quando penso nela ouço uma voz doce e é como se entre nós nem muitos mundos houvesse, como se nem.

.
N.Y. 01 de junho de 2009
Patrícia de Oliveira

5 comentários:

Anónimo disse...

Linnndo!
Beijos e parabens pela bela iniciativa
Pierre

Anónimo disse...

Belas palavras Patrícia e com dom bem suave.Lindo. Que Deus abençoe você e Moniquinha para sempre manter este sentimento com esta lembrança de Paz de vossa mãe.Bjs,Débora.

Fabiana Lian disse...

abaixo, a mensagem que mandei pra patricia e monica, uma familia que comecei a ter perto bem recentemente, mas cuja historia me intriga ainda mais, depois de ler estes poemas.
Nem sou das menos letradas do país, mas incrível, como nao conhecia esta obra.que estranha a fluidez do nosso círculo de cultura.

Meu dia com Dona Marly
pois eh meninas..cutucada pelas mensagens do facebook e o texto da pati, aproveitei um raro dia que fui a SP de carro, e ouvi o disco de poesias que a Pati me deu ainda em NY(leeeerda).
Comecei, é claro, ao contrário, pelo disco 2 na ida..o trânsito ficou leve..e até torci para que não melhorasse muito para dar tempo de ouvir todo a sofisticaçao e sensualidade das imagens escritas.
E Na volta, o primeiro disco, quando chegou a sangue na veia... buaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.....
Muito lindo, entender através da arte desta mulher a trajetória de sensibilidade, sua leitura do mundo, e o jeito que amou as filhas.. e que filhas!!! não dava mesmo prá vocês serem "normais"! ainda bem!!!
obrigada pelo presente!

Márcia Palhares disse...

Estou cada dia mais apaixonada por Marly de Oliveira. Ela é maravilhosa! Também sou poeta e a conheci através de comentários de minha filha de 15 anos. Acreditem! E foi um presente que me permito a cada dia, descobri novos escritos e uma oportunidade de me surpreender. Este poema escrito por sua filha é de deixar meu coração partido. Se um dia partir, quero manter uma ligação tão linda como a de você com sua mãe. Parabéns, tudo é perfeito....Como foi Marly!!!!
Bjs,
Márcia Palhares

Anónimo disse...

Flor, ouse escutar as respostas!